Demonstração do Fluxo de Caixa

As pessoas normalmente confundem erroneamente caixa e riqueza. No entanto, receber dinheiro não necessariamente torna uma pessoa rica e uma pessoa não se torna automaticamente mais pobre quando gasta dinheiro. Uma pessoa pode ser “rica” e ter problemas de caixa, ou ser “pobre” e ter saldo de caixa.

Tomamos um exemplo. A compra de um apartamento é um item de saída de dinheiro no montante que você paga em dinheiro na hora da compra. Isso não faz você mais pobre (dado que você pagou o preço justo pelo apartamento) mas sua posição de dinheiro diminui pelo pagamento (que é uma saída de caixa na hora da compra). Se o dinheiro é empregado para a compra usando um empréstimo a prazo, aumentar a dívida não tem impacto na sua renda e não tem impacto na sua posição de dinheiro (até você pagar a dívida e os juros).

Enquanto em uma DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) temos o lucro líquido como resultado final (riqueza), na DFC (Demonstração do Fluxo de Caixa) temos como resultado, as variações ocorridas no saldo de caixa e equivalentes.

A DFC é um registro de entradas e saídas em um período específico de tempo. Para indivíduos, vemos isso nos nossos extratos bancários de conta corrente. Ao longo do mês vemos entradas e saídas e quanto tem em caixa.

  • A conta corrente como Demonstração do Fluxo de Caixa.

Um extrato mensal irá mostrar o saldo corrente na conta bancária na data do extrato. O saldo corrente é o dinheiro que o cliente tem na conta bancária no dia do extrato.

O extrato mensal irá apresentar também a demonstração de fluxo de caixa, uma revisão detalhada da atividade na conta que ocorreu desde o extrato do último mês. Essa demonstração de fluxo de caixa identifica as entradas de dinheiro na conta (créditos e depósitos) e as saídas de dinheiro da conta (pagamentos, saques e taxas).

O total de entrada de dinheiro menos o total de saída durante o mês explica a variação entre os saldos iniciais e finais.

  • Demonstrações de fluxo de caixa para uma empresa

Uma empresa apresenta sua posição de caixa no lado dos ativos no seu balanço patrimonial na conta  chamada de “Caixa e equivalentes”. A “Caixa e equivalentes” é similar ao saldo corrente no extrato bancário de um consumidor individual.

Como um consumidor individual, uma empresa pode querer entender a mudança entre o saldo inicial e final. Para explicar como a posição de caixa mudou, uma empresa usa a Demonstração do fluxo de caixa  (DFC).

A DFC identifica entradas de dinheiro na conta da empresa e saídas de dinheiro. O total de entrada de dinheiro menos o total de saída durante um período de tempo (mensalmente, trimestralmente, semanalmente ou anualmente) explica a mudança entre o saldo inicial e final, no período.

A entrada líquida (saída) para um período aumenta (diminui) a posição de caixa do negócio (como mostrado no balanço patrimonial final versus o balanço patrimonial inicial).

A Demonstração do Fluxo de Caixa, indica as variações ocorridas, durante o periodo, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, separando estas alterações em três componentes: operações, investimentos e financiamentos.

  1. Operações: As Atividades Operacionais são explicadas pelo ciclo de produção: FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL = LAJIDA (-) Var.NCG
  2. Investimentos: As Atividades de Investimento são os gastos efetuados no Realizável a Longo Prazo ou no Imobilizado ou no Intangível, bem como as entradas por venda dos ativos registrados nos referidos contas.
  3. Financiamentos: As Atividades de Financiamento são os recursos obtidos dos empréstimos e financiamentos (Capital de Terceiros) e do capital próprio (Patrimônio Líquido). As saídas correspondem à pagamentos dos juros e diminuição do principal (amortização destas dívidas) e os valores pagos aos acionistas a título de distribuição de lucros (dividendos).
  4. Calcular o Fluxo de Caixa Livre para os Acionistas irá fornecer uma medida da capacidade de uma empresa de pagar dividendos. É o saldo das três componentes: operações, investimentos e financiamentos, salvo que o fianciamento nao inclui os dividendos.

 

13 Comentários

  • José says:

    Boa tarde!
    Tenho uma dúvida com relação ao fluxo de caixa operacional livre: Deve-se diminuir o total de despesa de depreciação do período mais os valores despendidos em aquisição de novos imobilizados ou diminui-se os valores de novas aquisições líquidos da depreciação do período? Esquematicamente: é assim: fluxo operacional – (depreciação do período + novas aquisições). Ou assim: fluxo operacional – (novas aquisições – depreciação do período)?

    Atenciosamente;

  • Junior says:

    Boa tarde,

    Gostaria de saber se o que vai para o EBITDA se converte em caixa.

  • Irinilson Junior says:

    Michel, boa noite.
    Adquiri seu livro e adotamos a análise financeira pelo modelo dinâmico, porém tenho dúvidas quanto ao Fluxo de Caixa operacional onde é mencionado no livro a fórmula EBITDA – IR – CSLL – Variação da NCG. Nesse caso a variação da NCG é referente ao período em comparação com o mesmo período do ano anterior, ou do mês anterior. O livro não específica isso.

    Obrigado

  • Mauricio Santos says:

    Olá , primeiramente parabéns pelo trabalho que o senhor vem fazendo, com certeza foi um grande ideia essa a da sua divisão das contas em Ciclo operacional e Financeiro
    Assim minha duvida é muitas empresas apresentam Fluxo de caixa negativo mas com CCL positivo assim como Saldo de tesouraria e IOG também positivos, nestes casos posso posso usar o lucro contábil delas como base para fazer um processo de valuation.
    Mais uma vez parabéns pelo trabalho e fico no aguardo da resposta
    Desde já agradeço pela atenção

  • Fábio says:

    Este Post seria o Fluxo de Caixa Livre?
    Eu gostaria de saber também como que faz uma projeção da NCG?

  • Existe uma relação direita entre o Fluxo de Caixa e a variação da NCG. (veja post Fluxo de caixa)

  • Fábio says:

    O que eu estou precisando e de saber se existe relação direta entre o resultado do Fluxo de Caixa (Direto ou Indireto) com a necessidade de capital de Giro?

  • Fábio says:

    Boa tarde.
    Estou fazendo uma trabalho financeiro na minha empresa, gostaria de saber se você conhece ou sabe se tem algum livro, artigo que fala sobre a relação entre o saldo do fluxo de caixa e a necessidade financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *